A Voz da Forma

Clara Ramalhão
Clara Ramalhão
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

“Pode-se fotografar o que não tem corpo? Digamos que não, que não é possível. Mas é exatamente essa impossibilidade que faz que o exercício da fotografia possa ascender ao estatuto de arte.

As imagens de Clara Ramalhão são prova de como o olhar do fotógrafo não é um registo, mas uma reinvenção do mundo. Sob a aparência de uma paisagem desprovida de vida, cada imagem nos sugere a eterna vitalidade de um oásis.

As dunas de areia vermelha que Clara visitou na Namíbia são como ondas de um mar secreto: ambas recusam ter pele, ambas transgridem a sua aparente fronteira. Corpos, dunas e árvores não cabem na fotografia. Pedem uma paisagem que não é deste mundo. E sendo de outro mundo há algo nesse cenário que, desde sempre, nos habitou e nos faz sonhar.

Sob o olhar de Clara, a areia ganha uma outra verdade: ela torna-se viva, nómada, eternamente errante. Estas imagens foram feitas não apenas para a viagem. Estes quase desertos estão povoados de vozes e nós escutamos os nossos pés afundando-se na areia solta. Tudo se desenha e se redesenha com pinceladas de tinta seca, tudo se molda na dureza do Sol e do vento. E parece não ter nunca havido gota de chuva que tombasse sobre estes corpos. Árvores, pessoas e chão alimentam-se do excesso de luz e de céu.

Todo este trabalho é, assim, uma travessia de falsas fronteiras: a árvore que mente que está morta, o rosto humano que a si mesmo se ilumina, os céus sem nuvens que parecem nunca terem acolhido o voo de uma ave. Não se procure folhas tombadas naquele chão: o mundo que nos traz a Clara não é feito de tempo. Não se procure pegada na areia: nesta terra não se escrevem memórias. Não se procure explicação para os habitantes desta paisagem: eles aprenderam a ser árvores e a morrer só por mentira.

Tudo nestas imagens nos traz o mesmo recado dos desertos: tudo neles é escasso e eterno. Desta aparência de imobilidade e de vazio falou Fernando Pessoa. E ele escreveu: “Grandes são os desertos porque de ali se vê tudo, e tudo morreu.” Essa morte absoluta é, como nos avisa o próprio poeta, um fingimento que não chega nunca a ser mentira. Os galhos secos que rasgam os céus de Clara persistirão como mastros da própria Vida.”

Mia Couto